CMD - Outubro Rosa

Manifestantes fazem atos contra Bolsonaro e a favor da vacina

Por Informe News em 03/07/2021 às 11:24:40

Priscilla Aguiar/G1

Manifestantes foram às ruas neste sábado (3) para protestos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e em defesa da vacinação contra Covid-19.

Assim como aconteceu em atos semelhantes em maio e junho, as manifestações foram pacíficas. No geral, os manifestantes pediam mais vacina, o impeachment de Bolsonaro e volta do auxílio emergencial de R$ 600.

A maioria dos manifestantes usava máscara. Em alguns momentos, houve aglomeração, apesar dos alertas sobre distanciamento social.

Veja a situação das manifestações pelo país:

Alagoas

Mesmo com chuva, muitos manifestantes foram às ruas neste sábado (3) para protestar em Alagoas contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e em defesa da vacinação contra a Covid-19. Os atos estão acontecendo em Maceió e Arapiraca. Já em Penedo e Palmeira dos Índios, os protestos programados foram cancelados devido à chuva.

Em Maceió, com bandeiras do Brasil e placas de 'Fora Bolsonaro', os manifestantes pedem mais vacina, cobram impeachment do presidente e criticam a conduta do governo federal no combate à pandemia.

Manifestantes protestam contra Bolsonaro na Praça Centenário, em Maceió

Sandra Sena/CUT

Maranhão

Em São Luís, no Maranhão, a concentração foi feita na Praça Deodoro, no Centro Histórico da capital, onde faixas e cartazes demandavam mais vacinas contra a Covid-19, exigiam a volta do auxílio emergencial, pediam o impeachment do presidente e do vice, Hamilton Mourão, e repudiavam o cenário político do país.

O protesto contou, ainda, com a apresentação cultural do Boi União da Baixada, tradicional no São João do Maranhão.

Manifestantes fazem ato contra Bolsonaro e a favor da vacina em São Luís

Nelyane Gomes/G1

Mato Grosso do Sul

Em Campo Grande, os manifestantes exibiram faixas e cartazes de "fora Bolsonaro" em defesa da vida, emprego e democracia.

Manifestantes fazem protestam contra Bolsonaro em Campo Grande

Sérgio Souza Júnior

Minas Gerais

Na Região Central de Belo Horizonte, um grupo de manifestantes colocou fogo em pneus e interditou o elevado Dona Helena Greco, na Região Central da cidade. Eles gritavam expressões de ordem contra o governo Bolsonaro. O protesto contou com cartazes e faixas que se posicionavam contra o fascismo. A mobilização também lembrou a morte de Marielle Franco, ocorrida em março de 2018.

De acordo com a Polícia Militar, a intervenção começou por volta das 6h. Não houve registro de violência e o grupo se dispersou rapidamente pelas ruas do Centro da capital. Os militares também acionaram o Corpo de Bombeiros para conter as chamas e fazer a retirada dos pneus.

Grupo queimou pneus no Elevado Dona Helena Greco, no Centro de BH

Redes Sociais

Paraíba

Em João Pessoa, a concentração começou por volta das 9h, na frente do colégio Lyceu Paraibano, no Centro da capital paraibana. Às 10h30, o protesto seguiu pelo Parque Solón de Lucena até o Ponto de Cem Réis.

Os manifestantes carregaram cartazes com dizeres contra o presidente Jair Bolsonaro e pedidos por mais doses da vacina. Na concentração, desenharam no chão corpos e colaram fotos de pessoas que morreram vítimas da Covid-19.

[João Pessoa, 03/07, 11h34] Manifestantes caminham pelo Centro, em protesto contra o presidente Jair Bolsonaro.

Lara Brito/G1 PB

Pernambuco

Em Recife, Pernambuco, o ato aconteceu no centro da cidade e foi convocado por movimentos sociais e estudantis, partidos políticos e centrais sindicais, que pediram também vacinação contra a Covid-19 e testagem em massa da população.

[Recife, 03/07, 10h20] Integrante de povo indígena participa de protesto contra Bolsonaro no Recife, neste sábado (3)

Marlon Costa/Pernambuco Press

Piauí

Em Teresina e em Picos, manifestantes pediram a saída de Bolsonaro do governo federal, mais vacinas contra a Covid-19, investigação das suspeitas de pedido de propina para compra dos imunizantes e suspeita de prevaricação pelo presidente, além de pedido de aumento do valor do auxílio emergencial para R$ 600.

O público fez uso de máscaras e havia distribuição do item de segurança, além de álcool em gel, durante a manifestação, para conter a disseminação do coronavírus.

Manifestantes fazem atos pedindo impeachment de Bolsonaro e mais vacinas no Piauí

Lívia Ferreira/G1

Rio de Janeiro

O ato realizado no centro do Rio de Janeiro foi convocado por movimentos sociais, partidos políticos e centrais sindicais. Além de protestarem contra o governo federal, com cartazes e faixas, os manifestantes pedem mais agilidade na vacinação contra a Covid-19, o fim das privatizações, mais respeito a comunidade LGBTQIA+ e a volta do auxílio emergencial.

Manifestantes se concentram no Monumento a Zumbi, no Centro do Rio, em protesto contra o presidente Bolsonaro na manhã deste sábado (3)

Arthur Guimarães / TV Globo

Rondônia

Em Porto Velho, o ato foi convocado por movimentos estudantis e sociais. A concentração começou por volta das 9h na Praça das Três Caixas D’Água. Ato deve se estender em uma carreata na Avenida Sete de Setembro.

Faixas, cartazes e palavras de ordem pediam por mais vacinas para a população, mais segurança para a população do campo e o impeachment de Bolsonaro. Manifestantes também espalharam cruzes pela praça para simbolizar as vítimas da Covid no estado.

[Porto Velho, 03/07] Manifestantes na praça das Três Caixas D'Água, em protesto contra o presidente Bolsonaro neste sábado (3)

Yonara Werri/Rede Amazônica

São Paulo

Em Sorocaba, a concentração começou por volta das 9h no estacionamento da prefeitura. Depois, os veículos seguiram até a Praça Coronel Fernando Prestes, onde haverá concentração para a passeata nas ruas do centro.

As pessoas utilizavam máscara, conforme determinado por decreto estadual contra o novo coronavírus.

Em Jundiaí, a concentração dos manifestantes foi no Paço Municipal às 9h30, onde houve arrecadação de alimentos. O protesto também é contra o presidente Jair Bolsonaro.

Os moradores saíram em carreata sentido à Ponte Torta, onde haverá ato às 11h. A manifestação segue pacífica.

Em Bauru, o ato foi organizado sindicatos, partidos políticos, estudantes e indígenas. Os manifestantes destacam as mais de 518 mil mortes por Covid-19 no país e as 1.073 mortes registradas na cidade até esta sexta-feira (3).

Eles também pedem mais vacinas para a população. Além de serem a favor do impeachment do presidente, os indígenas carregam faixas pedindo a demarcação de terras indígenas e se posicionando contra o marco temporal.

Em Piracicaba, os grupos reivindicaram a derrubada do governo, pelo atraso na compra de vacinas, omissões no enfrentamento da pandemia da Covid-19 e agravamento da crise econômica. Também apoiam a luta dos indígenas pela demarcação de terras e criticam atos policiais que resultam em mortes.

Carreata contra Bolsonaro na avenida Engenheiro Reinaldo Mendes neste sábado (3), em Sorocaba

Witter Veloso/TV TEM

Fonte: G1

Comunicar erro
DENGUE - TOPO

Comentários