Assembleia - AUDIENCIA PUBLICA

QUARTA, 23 DE MAIO DE 2018 | |

Princesa Isabel, PB

Informe News no FacebookInforme News no TwitterInforme News no Google PlusFale conosco
Publicado em 23/01/2018 às 18:14:53

E se Lula for condenado no TRF4? Entenda o que acontece

765_20180119t015455z1810479378rc1b28d672b0rtrmadp3brazilpoliticslula-b30e2a3b3aab314c5454ba3cec164dbe-1200x600.jpg

O TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) julga, nesta quarta-feira (24), o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pelo juiz Sérgio Moro a 9 anos e 6 meses de prisão no caso do tríplex do Guarujá.  A condenação de Lula por um crime comum foi a primeira imposta a um ex-presidente no Brasil.

Se nenhum dos magistrados pedir vista, o resultado do julgamento será anunciado no fim da sessão.

O que acontece se Lula for condenado em 2ª instância?

Caso a condenação seja mantida, o ex-presidente não será preso na quarta-feira (24). O TRF-4 e o MPF já anunciaram que só haverá prisão quando todas as possibilidades de recurso se esgotarem no tribunal.

Lula poderá apresentar dois tipos de recurso no próprio TRF-4. São eles:

Embargos de declaração - 3 a 0 pela condenação. ( Eles não têm o poder de reverter a condenação, é um recurso apenas usado para esclarecer pontos da decisão judicial. A defesa deve entrar com embargos de declaração até 2 dias após a publicação do acórdão e o recurso é julgado pela mesma 8ª Turma, e o trâmite costuma ser rápido).

Embargos infringentes  - 2 a 1 pela condenação. (Esses sim podem reverter a condenação. Esse recurso só pode ser usado quando a decisão não é unânime. A defesa deve entrar com embargos infringentes até 10 dias após a publicação do acórdão. O recurso será julgado por seis desembargadores no total. Em média, o TRF-4 leva sete meses para julgar os embargos infringentes, mas como o caso de Lula tramita em uma velocidade maior que os outros da Lava Jato, isso pode ocorrer antes).

Após essas etapas, a defesa de Lula ainda poderá recorrer ao STJ (Superior Tribunal de Justiça ) e ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Redação

Deputado

Deixe seu comentário